Conjuntivite: bacteriana ou viral?

A conjuntivite é a inflamação da mucosa que reveste a face interna das pálpebras e a esclerótica do olho. Pode ser causada por bactérias ou vírus, no caso das infeciosas, as mais frequentes. Nos outros tipos de conjuntivite a mais comum é a alérgica. Esta é muitas vezes provocada pelos pólenes na primavera e também pelos alérgenos presentes no pelo dos gatos e em muitos produtos em spray ou que possam entrar em contacto direto com o olho como soluções para lentes de contacto.

Conjuntivite: viral ou bacteriana

Principais sintomas 

É uma doença frequente. “A conjuntivite é responsável por um número significativo de urgências, tanto em crianças como em adultos. No Algarve, o verão é a época das conjuntivites bacterianas, por causa do ar seco e da temperatura elevada, no outono são frequentes as virais muitas vezes em verdadeiro surto epidémico”, explica Barros Madeira, oftalmologista da Clínica Lusíadas Faro e da Clínica Lusíadas Forum Algarve.

Há um sintoma que é idêntico tanto na conjuntivite bacteriana como na viral: a vermelhidão da mucosa que cobre a parte branca do olho (esclerótica). Mas há diferenças: “A conjuntivite bacteriana provoca o aparecimento de muco e pus, que pode ser amarelo escuro ou ter cor esverdeada”, explica o oftalmologista. Também pode provocar dor e lacrimejo. A viral tem uma sintomatologia mais ligeira. “O olho não fica tão vermelho e o pus é mais claro e menos abundante. Mas há mais lacrimejo e é típico o aparecimento de uma adenopatia pré-auricular, ou seja, um gânglio linfático localizado à frente do pavilhão auditivo.”

O que provoca a conjuntivite

Tanto os vírus como as bactérias que provocam, respetivamente, a conjuntivite viral e a bacteriana transmitem-se através do ar e do contacto das mãos com o olho. Há uma frequente associação a infeções respiratórias no caso das virais. Ambas são muito contagiosas. “Depois de um primeiro caso, é muito frequente vir a família toda à consulta. Ainda há pouco tempo tive pai, mãe e três filhos todos com conjuntivite viral”, conta Barros Madeira.

Como se trata

A conjuntivite alérgica é tratada com anti-histamínicos de aplicação tópica ou sob a forma de comprimidos, os corticoides tópicos reservados apenas para os casos mais graves.
O tratamento da conjuntivite viral implica a lavagem frequente com soro e aplicação de gelo no local. “Nalguns casos usam-se também anti-inflamatórios.” Demora duas a três semanas a tratar.
Já a conjuntivite bacteriana requer a administração de antibiótico por via tópica – colírios ou pomadas – e normalmente resolve-se numa semana. Ambas são contagiosas, pelo que durante o período de tratamento as crianças não devem ir à escola.

Como prevenir

Tanto a conjuntivite viral como a bacteriana podem ser evitadas com uma higiene diária cuidada, em especial a lavagem das mãos. “O ideal é que cada pessoa tenha uma toalha de mãos individual, como acontece com o toalhão de banho”, aconselha Barros Madeira.
Deve-se evitar ainda o contacto direto com a cara da pessoa que está com esta inflamação (dar beijos, por exemplo).

Colaboração:
Barros Madeira, oftalmologista da Clínica Lusíadas Faro e da Clínica Lusíadas Forum Algarve

Especialidades em foco neste artigo:
Oftalmologia