Primeira menstruação: como explicar à sua filha?

É um momento marcante do desenvolvimento das raparigas, mas deve ser encarado com naturalidade e sem medos. Para isso, os pais têm um papel fundamental em explicar, de forma simples, o que é a menstruação. A ginecologista Raquel Maciel, do Hospital Lusíadas Porto, explica qual a melhor abordagem.

Como explicar à sua filha a primeira menstruação?

Para muitos pais, falar sobre a primeira menstruação (ou menarca, segundo o termo médico) com as suas filhas pode ser um tema de conversa difícil de abordar. No entanto, é importante que coloque de lado esse desconforto inicial para que possa ajudar a sua filha a preparar-se para as alterações fisiológicas naturais da puberdade.

Embora o tema seja obrigatório nos programas escolares desde o ensino básico, “a abordagem em casa, pela sua importância afetiva, não deve ser esquecida”, reforça Raquel Maciel, ginecologista do Hospital Lusíadas Porto. Explicar naturalmente o que é a puberdade e o que é a menstruação vai permitir que a sua filha aceite – sem medos – as mudanças no seu corpo de adolescente, assim como contribuir para uma autoimagem positiva.

Quando deve abordar o tema da primeira menstruação?

Não espere pela primeira menstruação para falar com a sua filha. É importante que vá conversando sobre o tema antes de a menarca surgir.

Na maioria das crianças, a menstruação é precedida por alterações fisiológicas relacionadas com a pré-puberdade e puberdade (desenvolvimento mamário, surgimento de pelos pubianos, odor nas axilas e aumento da produção de hormonas sexuais, entre outras mudanças) pelo que a sua filha já deve estar esclarecida e à-vontade com estes fenómenos que acontecem no seu corpo.

Cada caso é um caso, o que significa que não existe propriamente uma idade ideal para começar a conversar sobre estes temas. Até porque, “em muitas situações, existe um descompasso entre a maturidade psicoemocional e as alterações fisiológicas”, lembra a especialista do Hospital Lusíadas Porto.

Como começar a falar sobre a menstruação?

A sugestão de Raquel Maciel é que aborde o tema com a sua filha “de uma forma natural, ‘sem dramas’” quando as primeiras mudanças fisiológicas começam a surgir. Faça-o com uma abordagem descontraída: optar por várias conversas pequenas sobre o tema pode ser mais simples do que uma grande conversa (que colocará pressão desnecessária a pais e filhas).

Aproveite pequenos momentos do quotidiano para dar mais um pouco de informação à sua filha. Para ela, será mais fácil compreender e “digerir” pequenas quantidades de informação do que um extenso discurso dos pais sobre o ciclo menstrual, o aparelho reprodutor e a puberdade. Transmita-lhe tanto informação mais “teórica” (por exemplo: o que acontece no corpo durante um ciclo menstrual), como conselhos práticos (por exemplo, como usar um penso higiénico).

“Use palavras e exemplos simples – por um lado, porque se farão entender melhor e, por outro, porque se a conversa é com a mãe/pai/familiar próximo, as meninas querem esse aconchego natural, esse ‘tom de conversa’”, recomenda ainda a ginecologista do Hospital Lusíadas Porto, realçando que a conversa deve decorrer “com disponibilidade e em ambiente familiar”.

O que é o ciclo menstrual?

“O pior, para uma menina, em termos de aceitação inicial [da menarca] é ser apanhada ‘desprevenida”, considera Raquel Maciel. Recordar os conceitos básicos associados ao ciclo menstrual é, por isso, o primeiro passo para que os possa explicar de uma maneira simples à sua filha – e, assim, esclarecer melhor as suas dúvidas.

  • Início do ciclo menstrual:

As primeiras manchas de sangue da menstruação equivalem ao primeiro dia de um novo ciclo menstrual (que dura, em média, 28 dias, embora ciclos mais curtos ou mais longos sejam considerados normais). Durante este ciclo, são libertadas hormonas que preparam o corpo para uma possível gravidez.

  • A meio do ciclo:

Um óvulo (gâmeta) é libertado dos ovários. No caso de uma gravidez, o gâmeta seria fecundado e permaneceria no útero, desenvolvendo-se num feto. Quando não existe fecundação, o gâmeta desfaz-se.

  • No final do ciclo:

Durante o ciclo menstrual, o útero prepara-se para receber uma gravidez. Quando esta não acontece, o tecido que reveste o útero (endométrio) desprende-se, o que provoca o sangramento expelido através da vagina. É esta “renovação” do útero que provoca a menstruação (durante 3 a 7 dias). O primeiro dia de menstruação é o final do ciclo e, simultaneamente, o início de um novo ciclo.

Nos dias anteriores à menstruação, algumas raparigas e mulheres têm um conjunto de sintomas que podem afetar o seu bem-estar: a chamada tensão pré-menstrual (TPM).

Que tópicos deve abordar ao falar com a sua filha?

Explique-lhe, de forma resumida, as mudanças que acontecem no corpo durante o ciclo menstrual. À medida que a sua filha for ganhando maior maturidade, poderá entrar em maiores detalhes sobre o ciclo.

Reforce, desde logo, a ideia de que todas as meninas já tiveram ou vão ter a menarca e que é um fenómeno perfeitamente natural. E tranquilize-a em relação ao sangramento, para que ela possa estar preparada.

“Dependendo da idade da menarca, o conceito de ‘fertilidade’ deverá ser reforçado e, sem receios, abordar a noção de que o corpo delas já pode desenvolver um bebé”, adianta ainda a especialista do Hospital Lusíadas Porto.

É também importante que destaque a ideia de que não há uma “fórmula certa” no que diz respeito à menstruação – e que tudo isto é normal. Ou seja, que nem todas as meninas têm a menarca na mesma idade e que nem todos os ciclos menstruais duram 28 dias (aliás, estes ciclos costumam ser irregulares nos primeiros 2/3 anos).

Por fim, não dê à menstruação uma conotação negativa – aborde-a como mais uma parte natural de ser mulher.

Esclareça todas as dúvidas

Evite que as conversas sobre a menstruação se tornem um monólogo. Dê espaço para que a sua filha exponha os seus receios e dúvidas – e responda a tudo de forma clara e acessível, sem menosprezar qualquer pergunta.

Prepare-se para algumas das dúvidas mais comuns que a sua filha pode perguntar:

  • Quando vou ter a primeira menstruação?

A maioria das meninas tem a sua menarca entre os 11 e os 13 anos, mas a primeira menstruação pode chegar logo aos 8 anos ou apenas surgir mais tarde (até aos 16).

  • Vai doer?

Esta é a principal preocupação de algumas meninas, pelo que é importante esclarecer que, apesar do sangue, a menstruação não é como ter uma ferida. Explique à sua filha que algumas meninas e mulheres têm dores menstruais, mas que a maioria não tem dores durante os primeiros anos. E que, caso haja dor, é possível diminuir o desconforto com uma botija de água quente ou com medicação.

  • Vou ter a menstruação para sempre?

A menstruação dura, normalmente, três a cinco dias, embora dependa de caso para caso. Depois dos ciclos regularizados (2 ou 3 anos depois da menarca), a menstruação ocorre todos os meses até aos 45-51 anos.

  • Vai aparecer muito sangue?

A quantidade de sangue depende de menina para menina. Há quem tenha menstruações mais leves e quem tenha maior hemorragia. Em média, o sangue equivale a 2-4 colheres de sopa (embora a hemorragia possa parecer maior).

  • O que devo fazer quando surgir a primeira menstruação?

Explique-lhe, de forma muito prática, como se utilizam pensos higiénicos, tampões e copos menstruais, para que a menina se sinta confortável em começar a usá-los. É importante que realce a importância, para a sua higiene pessoal, de trocar frequentemente estes itens durante os dias de menstruação. Não force um método em relação aos demais – deixe-a escolher o produto com que se sinta mais confortável.

  • Tenho de parar de fazer desporto?

“Os pais devem incentivar as meninas, numa fase inicial de ‘aceitação’, a manter as mesmas atividades que faziam até então (por exemplo: prática de desporto). No fundo, fazê-las ver que o corpo dá sinais de mudanças, mas que as atividades diárias não têm de mudar”, responde Raquel Maciel.

Primeira menstruação: conselhos práticos

Tenha uma postura positiva, disponível, clara e informativa nas diferentes conversas com a sua filha;
Não demonstre preocupação;
Responda a todas as questões. Em vez de adiar conversas sobre fertilidade para “mais tarde”, procure uma explicação mais simples, adequada à idade da sua filha. Se não souber uma resposta, seja sincero e diga-lhe que vai procurar mais informação sobre isso;
Privilegie uma abordagem prática, com muitos exemplos.
Compre antecipadamente produtos de higiene feminina para ter em casa – e mostre à sua filha onde estão e como usar.

Quando deve levar a sua filha a um médico ginecologista?

Segundo Raquel Maciel, a primeira ida a um médico especialista deve ocorrer “quando alguma destas alterações fisiológicas apresentar algum desvio/anomalia, se surgir alguma dúvida e, claro, mais tarde, para planeamento familiar”.

Colaboração:
Raquel Maciel, ginecologista do Hospital Lusíadas Porto

Especialidades em foco neste artigo:
Ginecologia e Obstetrícia