Crianças: incentive-as a fazer uma lista de resoluções

Melhorar comportamentos e trabalhar a autonomia das crianças são desafios que todos os dias se colocam aos pais. Envolvê-las e mostrar-lhes como podem atingir essas metas pode ser uma estratégia. Então, por que não deitar mãos à obra e definir uma lista de resoluções para ajudar os seus filhos a cumprirem objetivos e, com isso, a crescerem?

Lista de resoluções: ajude os seus filhos a estabelecerem objetivos e a cumprirem-nos

1. Preparar o desafio

A lista de resoluções deve ser levada a sério por toda a família. Assuma a solenidade do momento e converse com os seus filhos sobre o que gostariam de conseguir alterar no seu comportamento, as coisas que gostariam de aprender ou passar a fazer sozinhos e lance o debate sobre as melhores estratégias a adotar. Passar o compromisso a escrito é uma forma de o firmar — a lista pode depois ser exposta na parede ou registada num caderno especial. Não há uma idade certa para começar a fazer planos de longo prazo, mas é “entre os sete e os 12 anos” que o ritual faz maior sentido e cumpre a sua função. “Nesta fase, as crianças ainda não têm os seus hábitos enraizados”, explica Christine Carter, a autora do livro Raising Happiness: 10 Simple Steps for More Joyful Kids and Happier Parents (Educar para a felicidade: 10 passos simples para ter crianças mais alegres e pais mais felizes, em tradução literal), num artigo publicado no site parents.com.

2. Dar o exemplo

O modelo dos mais novos são os pais e a construção da lista de resoluções pode até ser mais divertida se estes se envolverem também. Pense em coisas simples que gostaria de mudar no seu dia a dia e comprometa-se também. A perfeição não existe e há sempre comportamentos que também pode modificar, seja fazer a cama ainda antes do pequeno-almoço ou não levantar a voz por tudo e por nada. Se a imaginação falhar, as sugestões dos seus filhos podem ser duras de ouvir, mas vão com certeza fazê-lo rir e ajudar a lembrar o que poderá alterar.

3. Mostrar-se positivo

A ideia não é listar uma série de obrigações e metas a atingir. “Em vez de apontar aquilo que ainda não fazem, lembre os seus filhos dos sucessos que obtiveram no ano anterior e de como os pequenos esforços souberam fazer a diferença”, aconselha Christine Carter. E exemplifica: “Como é que achas que podes usar essa estratégia que resultou com o piano para fazer outra coisa qualquer?”

4. Saber ouvir

Resista à tentação de lhes impor um enunciado de regras que gostaria que passassem a cumprir e pare para ouvir o que os seus filhos têm a dizer. Talvez não percebam logo o que é uma resolução e comecem por escolher os piores exemplos, incluindo “resoluções materiais”, como acabar a coleção de cromos ou conseguir ter um telemóvel. Mas é importante que não diga logo “isso é uma péssima resolução”. “Pergunte-lhes o que eles querem para si mesmos” e ofereça-lhes alguma orientação, sugere Jennifer Kolari, a terapeuta norte-americana que escreveu o livro Connected Parenting (Parentalidade relacional ou mais atenta, numa tradução aproximada), citada pelo site parents.com. Fazer perguntas e dar exemplos são sempre também boas opções, sugere por sua vez Meg Cox, outra autora norte-americana, que se dedica ao estudo das tradições familiares: “Há coisas que poderias fazer melhor ou diferente? Como poderias cuidar de ti mesmo melhor ou tratar as outras pessoas? Achas que poderias…: ser mais amigo dos teus irmãos?; Partilhar mais com os teus amigos?; Ajudar mais em casa?”.

5. Definir (poucos) objetivos e ser realista

É importante que as metas definidas sejam realistas e no final, que a lista de resoluções seja curta. “O objetivo não é ensinar os miúdos a fazer uma lista enorme de resoluções que depois não são cumpridas…”, alerta Christine Carter. Mesmo que sejam apenas duas ou três, elas devem ser muito objetivas — vou portar-me bem é demasiado genérico…— e até incluir sugestões de níveis a atingir ou etapas a ultrapassar. Um exemplo? Robin Goodman, psicóloga clínica e autora de livros sobre o stresse na infância explica: “Vou ajudar mais em casa…e para isso acontecer vou começar por: 1. Pôr a mesa, 2. Dobrar a minha roupa, etc…”; “Vou melhorar a leitura…. lendo 15 minutos, todos os dias, antes de dormir”.

6. Lembrar não é cobrar

A lista de resoluções é para valer a longo prazo, mas nenhuma criança tolera estar constantemente a ser lembrada da sua existência — mesmo tendo sido a própria a comprometer-se. “Tente não ser muito ‘chato’ e estar sempre a falar no mesmo”, diz Kolari. Se não vê progressos, resista à cobrança antes de reconhecer que mudar é sempre difícil e tentar perceber por que não está o seu filho a conseguir cumprir a sua lista de resoluções. “Tente entusiasmá-lo outra vez, sem estar sempre a repetir-lhe as falhas”, acrescenta a especialista.

Resoluções para crianças do pré-escolar

Vou lavar os dentes todas as manhãs e antes de ir para a cama.
………..
 Vou lavar as mãos depois de ir à casa de banho e antes de comer.
………..
Vou arrumar os meus brinquedos e o quarto.
………..
Vou fazer a minha cama.
………..
Vou ouvir a minha mãe e o meu pai.
………..
Nunca vou bater nos meus amigos.

 

Resoluções para crianças em idade escolar

Vou fazer os meus trabalhos de casa todos os dias.
………..
Vou fazer as minhas tarefas em casa todos os dias.
………..
Vou para a cama a horas todos os dias.
………..
Serei agradável para os outros meninos.
………..
Vou tentar encontrar um desporto de que goste e não desistir.
………..
Vou comer mais fruta e legumes sem birras.

 

Resoluções para pré-adolescentes


 Vou comer mais fruta e legumes todos os dias.
………..
Vou ajudar nas tarefas domésticas todos os dias.
………..
Vou tentar encontrar um desporto de que goste e empenhar-me.
………..
Vou passar menos tempo à frente da televisão ou a jogar computador/tablet.
………..
Vou respeitar sempre os meus pais, professores e as pessoas mais velhas.
………..
Vou tentar ajudar mais os outros (aqui os pais têm também de envolvê-los).
………..
Quando sentir raiva ou estiver stressado, vou encontrar maneiras positivas de lidar com o stresse, como fazer exercício, escrever num diário ou falar com alguém em quem confio.

 

Fonte: adaptado de www.rewardcharts4kids.com/