O que é a Tensão Pré-Menstrual (TPM)?

Dores de cabeça e cólicas, alterações de humor e outros sintomas marcam algumas mulheres nos dias anteriores à menstruação. Mas há respostas contra estes sintomas.

TPM: o que é a tensão pré-menstrual?

Tensão Pré-Menstrual (TPM) ou síndrome pré-menstrual são sinónimos para um conjunto de sintomas que podem afetar as mulheres durante parte do seu ciclo menstrual. Alterações de humor, irritabilidade, dores de cabeça e cólicas são alguns fenómenos descritos que fazem parte do quotidiano de muitas mulheres e, em alguns casos, interferem nas suas atividades diárias.

O quê, quando e porquê

O ciclo menstrual permite à mulher engravidar todos os meses e dura, normalmente, entre 25 e 35 dias. Ao longo do ciclo, um dos ovários da mulher liberta um óvulo e o endométrio – o revestimento interno do útero – aumenta de espessura para se preparar para receber o ovo (o óvulo fecundado por um espermatozoide). Caso não haja fecundação, o endométrio descama, iniciando a menstruação. E inicia-se um novo ciclo.

Este ciclo que acontece todos os meses é controlado pelas hormonas femininas. Pensa-se que são elas que também causam a tensão pré-menstrual. Normalmente, os sintomas da TPM surgem entre uma a duas semanas antes da menstruação e terminam quando esta começa. Qualquer mulher em idade fértil pode ter TPM.

TPM: uma constelação de sintomas

Segundo o Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas, 85% das mulheres tem pelo menos um dos sintomas que estão incluídos na lista dos sintomas da tensão pré-menstrual. A maioria destas mulheres tem sintomas leves que não necessitam de nenhum cuidado especial. Mas há uma pequena percentagem, entre 3 e 8%, que pode ter uma forma mais severa da TPM a que os médicos dão o nome de distúrbio disfórico pré-menstrual – já lá vamos.

Os sintomas de TPM incluem:
Acne;
Tensão mamária (seios inchados e mais sensíveis);
Cansaço;
Dificuldade em dormir;
Perturbações no sistema digestivo como cólicas, obstipação e diarreia;
Dores de cabeça e de costas;
Alterações no apetite e vontade anormal de comer alguns alimentos;
Dores musculares e nas articulações;
Dificuldades de concentração;
Irritabilidade;
Alterações de humor, vontade de chorar, ansiedade e depressão.

O diagnóstico da TPM é feito por um médico que despista outras doenças caracterizadas por sintomas comuns.
Apesar de não estarem na origem da TPM, pensa-se que situações como a depressão e a ansiedade possam agravar os sintomas que já existem. Em alguns casos, a gravidade é tão grande que há quem lhe chame de distúrbio disfórico pré-menstrual: é possível sentir-se tristeza e desespero, ter pensamentos de suicídio, ataques de pânico, perda de interesse nas atividades diárias e nas relações com os outros.

O que fazer?

A resposta vai depender de mulher para mulher. Sintomas ligeiros não precisam de tratamento. Em geral, os médicos e as associações de saúde recomendam uma alimentação variada, algumas horas de exercício por semana e oito horas de sono por noite. Há várias formas de lidar com o stresse e a ansiedade da TPM como conversar com amigos, fazer exercício, escrever num diário ou ter atividade de relaxamento como o yoga ou massagens.

Os contracetivos orais podem ser uma opção. Noutras, os sintomas são mais fortes e podem sentir necessidade em recorrer a medicação. Quanto aos sintomas que causam dores, é possível recorrer com moderação a medicamentos contra as dores como o paracetamol, o ibuprofeno e o ácido acetilsalicílico. Nos casos mais graves, poderá recorrer-se a antidepressivos.
É importante falar com um médico para definir uma resposta apropriada aos sintomas.

Em resumo

A tensão pré-menstrual pode explicar sintomas cíclicos na mulher e interferir com a sua vida quotidiana. É necessário uma avaliação individual para uma abordagem correta da situação.

 

Revisão científica:
Odília Pinho, Unidade de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Lusíadas Porto

Especialidades em foco neste artigo:
Ginecologia