Crianças devem usar as tecnologias com limites

Crianças que passam mais de cinco horas em frente a ecrãs tendem a engordar e há que contrariar esta tendência que é cada vez mais fomentada pelo uso das tecnologias.

A importância de os pais definirem regras para o uso de tecnologias

O aumento do tempo que as crianças passam a ver televisão, a jogar videojogos ou jogos no computador corresponde a uma diminuição do tempo em que estão a brincar, a interagir com os outros e a desenvolver a sua criatividade. O excesso de tempo à frente do ecrã pode ter como consequência, muitas vezes, menor criatividade, menor inteligência interpessoal, alterações do comportamento e um atraso de linguagem. O simples facto de a televisão estar ligada como ruído de fundo pode levar à diminuição da capacidade de concentração da criança numa tarefa.

Sono, calorias e sedentarismo

As crianças e adolescentes que usam tablets, telemóveis e outros dispositivos eletrónicos durante cinco horas ou mais, todos os dias, tendem a consumir mais bebidas açucaradas, a dormir mal e a praticar pouca ou nenhuma atividade física.
De acordo com um estudo da Universidade de Harvard, EUA, estas crianças e adolescentes têm um risco 43% superior de se tornarem obesos, comparativamente com grupos que não usam estes aparelhos. Por exemplo, crianças e adolescentes que passam muito tempo com os telemóveis, os tablets e os computadores costumam registar um consumo exagerado de snacks.
Esta situação coloca os pais perante um dilema: na era digital torna-se praticamente impossível impedir que as crianças e jovens se desliguem totalmente. Então, como gerir esta situação? Veja o que pode fazer para os auxiliar e tentar melhorar a sua relação com os aparelhos eletrónicos.

Sem stresse mas com regras

A Academia Americana de Pediatria recomenda que as famílias planeiem “o tempo de consumo mediático” das crianças, isto é, o tempo que as crianças podem estar à frente da televisão, a navegar nas redes sociais e na internet ou a jogar no computador.

  • Até aos 2 anos

Os pais devem evitar o uso de dispositivos eletrónicos. A televisão abaixo dos 2 anos é um estímulo negativo para o desenvolvimento e não deve existir. Estudos demonstraram que a televisão nos mais pequenos altera a capacidade de manter a atenção e de focar em determinadas tarefas.

  • Com mais de 2 anos

Ver muita televisão abaixo dos 3 anos aumenta a probabilidade de ter um défice de atenção em cerca de 10%.
Na idade pré-escolar, as crianças que veem perto de 3 horas de televisão por dia, têm cerca de 30% maior probabilidade de terem problemas de atenção, face às crianças que não veem. Crianças mais velhas devem ver no máximo duas horas por dia.
Entre os 3 e os 5 anos as crianças não devem utilizar dispositivos eletrónicos, como os tablets ou telemóveis, mais de uma hora por dia e estes devem transmitir conteúdos de elevado interesse pedagógico e didático. Os pais devem acompanhá-las e ajudá-las a perceber o que estão a ver e a explicar-lhes de que forma podem aplicar esses ensinamentos no mundo que as rodeia.

  • Com 6 ou mais anos

Defina de forma consistente os limites de tempo que as crianças podem passar em frente dos ecrãs e quais os tipos de media que estão autorizadas a usar;

Assegure-se de que o uso dos dispositivos não ocupa tempo em que a criança deveria estar a dormir, a praticar exercício físico ou dedicada a outras atividades salutares, fundamentais para o bom desenvolvimento infantil;

Crie regras quanto a situações em que não é permitido o uso de dispositivos (como durante as refeições ou nas deslocações) ou em certos locais (tal como o quarto de dormir);

Converse sobre os perigos reais que existem nas redes sociais, como terem cuidado quando trocam fotos e vídeos, e sobre as conversas com estranhos. Explique-lhes também que o respeito pelo outro deverá ser replicado no mundo online.

Tecnologias: os pais devem dar o exemplo

Na maioria das vezes, as crianças tendem a imitar os adultos, por isso os pais, como modelos de referência, devem dar bons exemplos. Em casa, mantenha o seu telemóvel desligado ou no silêncio durante algum tempo. Dificilmente uma mensagem ou uma notificação exige uma resposta imediata. Tente valorizar mais o tempo com os seus filhos. Ponha-se no lugar deles: como se sentiria se alguém estivesse sempre a interromper o que estavam a fazer juntos? Combine que durante as refeições não se podem enviar e receber mensagens. Outra dica é que à hora de dormir as crianças devem desligar os aparelhos eletrónicos ou dá-los aos pais para guardar.

 

Fonte:
Adaptado de AMIL Saúde: Obesidade Infantil Não

Revisão científica: 
Margarida Lobo Antunes, pediatra do Hospital Lusíadas Lisboa

Especialidades em foco neste artigo:
Pediatria