Psicoterapia: o que é e como o pode ajudar?

Depressão, ansiedade e dificuldades de relacionamento são algumas das situações em que a psicoterapia pode ajudá-lo. Júlia Machado, psicóloga do Hospital Lusíadas Porto, explica no que consiste este método de tratamento.

O que é a psicoterapia?

O que é a psicoterapia

A psicoterapia é uma atividade profissional e um método de tratamento de problemas psicológicos e emocionais, entre as quais a depressão, a ansiedade e as dificuldades de relacionamento com as outras pessoas, baseado no conhecimento científico do funcionamento psicológico. É uma forma de tratamento que pode favorecer a nossa capacidade de gerir com autonomia e eficiência os desafios que a vida nos coloca.

Como pode ajudar

A psicoterapia é uma forma de ajudar a pessoa a tomar consciência da origem dos seus problemas, promovendo mudanças que podem influenciar positivamente quase todas as áreas da vida, como na sua família, na sua profissão, na sua saúde e no seu bem-estar interior. A psicoterapia também ajuda a lidar de uma forma mais adaptativa com situações dolorosas do passado ou do presente, promovendo assim alterações do comportamento, levando a um aumento do autoconhecimento e da paz interior.
A psicoterapia tem inúmeros benefícios, entre os quais:
Ajuda no desenvolvimento da capacidade de gestão emocional de estados internos e da resiliência para aumentar a tolerância;
Permite maior controlo da vida;
Desenvolve habilidades interpessoais (assertividade, empatia, comunicação, resolução de problemas, autonomia, etc.);
Promove ainda a possibilidade de criar novas narrativas de si próprio e dos outros, assim como novos modos de compreender e de conduzir a própria vida.

Saiba mais
Ataques de pânico: o que são e como tratar?

O que acontece nas sessões?

Parte significativa do trabalho psicoterapêutico é feita entre as sessões, refletindo sobre e testando, na vida real, aquilo que foi dito nas sessões. Após a primeira consulta deve ser decidido com o terapeuta a forma de atendimento (por exemplo, os objetivos, a periodicidade, as ocorrências de novas sessões.)
Durante a psicoterapia, serão abordados temas como as alterações de humor, sentimentos, pensamentos e comportamentos. Geralmente, o processo psicoterapêutico estabelece uma relação colaborante entre o terapeuta e a pessoa durante a qual identificam problemas, definem objetivos e alteram planos de tratamento. Muitas vezes é necessário o terapeuta prescrever «trabalhos de casa» para estimular e promover o processo.
O objetivo final do psicoterapeuta será ajudar a pessoa a assumir o controlo da sua vida e a responder a situações desafiadoras de forma ajustada, adotando uma postura de não julgamento, de empatia e de respeito.
A frequência das sessões e a duração do processo terapêutico dependem das necessidades particulares e dos objetivos de cada pessoa e deverão ser negociados com o psicólogo.

Quando recorrer à psicoterapia

A psicoterapia está indicada em diversas situações clínicas patológicas, nomeadamente pânico, fobias, depressão, anorexia, stresse pós-traumático, etc. É igualmente eficaz nos conflitos pessoais, conjugais e familiares que podem causar sofrimento psicológico e dificuldade em funcionar adequadamente.
Deve-se estar atento a todos estes sinais, bem como a qualquer situação clínica em que se verifique sofrimento emocional e situações de difícil adaptação à vida, tais como:
Luto;
Divórcio;
Perda de emprego;
Crises de desenvolvimento.

Confidencialidade

O código de ética da Psicologia é muito claro nas questões de confiabilidade e elas são muito respeitadas pelos profissionais.
Na relação que se estabelece entre o terapeuta e a pessoa, o sigilo é essencial, justamente por possibilitar que a pessoa converse sobre sua intimidade na certeza de ser respeitada e protegida quanto à confidencialidade, daí que os psicólogos, no seu exercício profissional, estejam portanto, obrigados ao sigilo.
Porém, se houver a necessidade de transmitir informações a respeito do atendimento para outros profissionais, em relatórios ou audiências judiciais para cônjuges e até mesmo para os pais, o psicólogo deverá oferecer apenas as informações necessárias para a tomada de decisão que afete a pessoa.
O Código de Ética Profissional do Psicólogo afirma que o psicólogo deve pautar as suas ações com base em princípios fundamentais como respeito e promoção da integridade, da liberdade e da igualdade do ser humano, apoiando-se assim nos valores da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Ideias erradas sobre psicoterapia

Uma das principais ideias erradas é que a psicoterapia pode resolver questões de anos em pouco tempo, pois tudo depende da situação na qual se encontra a pessoa, a circunstância e tudo o que envolve o processo terapêutico.
Contrariamente ao que muitas pessoas pensam, este tratamento não se resume a um conjunto de conselhos. Esta forma de ajuda também existe em contexto clínico e chama-se aconselhamento psicológico.
Outra ideia errada comum é de que quando se procura ajuda de um psicoterapeuta não é claro em que consiste uma psicoterapia, existindo alguma confusão causada pela comparação com a consulta médica.

Autoria:
Júlia Machado, psicóloga do Hospital Lusíadas Porto

Especialidades em foco neste artigo:
Psicologia