Tremoços: serão um snack saudável?

4 minutos de leitura

Sabia que o elevado teor de fibra do tremoço contribui para a regulação do colesterol e da glicemia, bem como para a regulação do trânsito intestinal?

Conhecidos como o snack que acompanha os fins de tarde de verão da população portuguesa, os tremoços são amplamente consumidos nos países mediterrânicos e na América Latina. Comparativamente aos restantes aperitivos como os caracóis, azeitonas, batatas fritas ou amendoins, destacam-se pelo seu baixo valor calórico, mas também pelo seu reduzido custo de aquisição.

Tal como o grão, o feijão, a ervilha ou a lentilha, o tremoço é uma leguminosa e, por isso, trata-se de uma fonte de proteína de origem vegetal. Com origem numa planta designada de “tremoceiro” do género Lupinus, o tremoço é a semente do seu fruto.

Na sua forma natural apresenta alguns compostos considerados tóxicos, mas estes são eliminados através da cozedura e de mudança frequente de água. Este processo deve durar alguns dias até que os tremoços percam o sabor amargo original – só depois deste procedimento é que o seu consumo é seguro.

Composição nutricional do tremoço

Do ponto de vista nutricional, o tremoço é considerado um baixo fornecedor de valor energético uma vez que é pobre em gordura. Por cada 100 gramas, o tremoço fornece cerca de 16 gramas de proteínas de qualidade e possui uma digestibilidade interessante. Contém vitaminas como o folato (ácido fólico) e minerais como o cálcio, o potássio, o magnésio, o ferro e o zinco em quantidades importantes.

O seu baixo valor energético e o seu elevado teor em proteína e fibra fazem deste alimento um importante contributo para a regulação do apetite pela sua capacidade saciante. A elevada presença de fibra, superior na casca dos tremoços, contribui para a regulação do colesterol e da glicemia, bem como para a regulação do trânsito intestinal.

Pelo facto de ser uma fonte de proteína de origem vegetal (fornece cerca de 16 gramas de proteína por cada 100 gramas de tremoço), poderá ser uma fonte extremamente interessante para quem segue uma alimentação vegetariana ou vegan, uma vez que é um substituto de proteína animal.

A sua única desvantagem é a elevada quantidade de sal que apresenta por causa da salmoura, local onde é conservado na maioria das vezes. De forma a reduzir o seu teor, deverá passá-lo por água corrente ou demolhá-lo antes do seu consumo.

Dicas para consumir os tremoços:

  • Esteja atento aos rótulos – se comprar tremoço embalado opte pelo que tiver menor teor de sal;
  • Opte por embalagens conservadas em local fresco e que estejam ao abrigo da luz;
  • Em casa, conserve os tremoços no frigorífico, imersos no líquido de conserva ou em água com sal;
  • De forma a acrescentar-lhe sabor, conserve-os com ervas aromáticas (orégãos, tomilho);

Como os introduzir de forma mais frequente na sua alimentação:

  • Snack;
  • Como entrada da sua refeição, ao invés do habitual pão ou salgados;
  • Como ingrediente de saladas;
  • Como ingrediente de confeção de patês;
  • Através da farinha de tremoço, pode usá-lo na confeção de bolos, pães ou bolachas ou até mesmo na elaboração de pizas, sopas ou pastéis.

LER MAIS