Tem medo de ir ao dentista?

José Carlos Pinto Correia, coordenador da Unidade de Estomatologia do Hospital Lusíadas Lisboa, partilha algumas estratégias para contornar o medo de ir ao dentista.

Tem medo de ir ao dentista?

Nada é mais importante do que a relação de confiança que se estabelece entre o paciente e o médico, defende José Carlos Pinto Correia, coordenador da Unidade de Estomatologia do Hospital Lusíadas Lisboa. Mas há pequenos gestos que podem ajudar a diminuir a ansiedade de quem tem medo de ir ao dentista, refere o especialista.

1. Se tem medo de ir ao dentista não adie a marcação de uma consulta

O tempo não cura problemas dentários e ficar à espera pode piorar um problema que poderia ser de fácil resolução se tivesse sido tratado mais cedo.

2. Falar com o médico antes da consulta

Trocar algumas palavras com o dentista antes do início do tratamento ajuda. Esses breves minutos de conversa, que podem até nada ter a ver com o motivo da consulta, ajudam a criar empatia e a estabelecer gradualmente a fundamental relação de confiança entre médico e doente. Em relação às crianças, o ideal é levá-las a conhecer o médico e o consultório algum tempo antes, aproveitando uma consulta dos pais para um tratamento simples ou uma limpeza dentária.

3. Perceber o que vai acontecer

A maioria das pessoas sente-se mais segura se souber antecipadamente todas as etapas do tratamento. Além das explicações prévias pode mesmo pedir ao clínico para ter na mão um espelho através do qual vai acompanhando os procedimentos passo a passo.

4. Ouvir música ajuda-o a descontrair se tem medo de ir ao dentista

A abstração também funciona bem para algumas pessoas. Levar um ipod ou telemóvel e uns auscultadores para ouvir as suas músicas favoritas pode ser uma boa opção.

5. Tomar um fármaco antes da consulta

Pode ser aconselhável, em alguns casos, tomar um analgésico ou um ansiolítico fraco antes da consulta. Além da eficácia preventiva, o medicamento tem também um efeito placebo. Não se automedique: aconselhe-se previamente com o médico para saber exatamente o que deve tomar, quando e em que quantidade.

6. Levar um amigo

A presença na consulta de alguém que lhe é próximo é muitas vezes benéfico para a pessoa, que assim se sente mais acompanhada e, por isso, mais calma. Dar a mão a alguém ou ter uma voz familiar dentro da sala pode fazer a diferença e ser uma solução para diminuir a ansiedade. No caso das crianças, deve ser o dentista a decidir se é melhor o pai ou a mãe estarem dentro da sala – as reações são muito diferentes.

7. Ter noção dos progressos da Medicina Dentária

Se a explicação para o medo de ir ao dentista se encontra lá bem atrás no tempo, faz sentido perceber como evoluiu a técnica que lhe causou esse receio. Não foi só o diâmetro das agulhas de anestesia que diminuiu consideravelmente. O gel que veio substituir o antigo spray prévio à picada é muito mais eficaz e a desvitalização deixou de ser um processo manual para se tornar um sofisticado trabalho mecânico, executado com limas de titânio e a ajuda de um microscópio. A curiosidade é uma qualidade e a informação é inimiga do medo.

Colaboração:
José Carlos Pinto Correia, coordenador da Unidade de Estomatologia do Hospital Lusíadas Lisboa  

Especialidades em foco neste artigo:
Estomatologia