Como incentivar a atividade física na escola

Ficar de pé durante a chamada ou durante a apresentação de trabalhos de grupo são pequenos gestos promovidos pelos professores que podem trazer resultados positivos à prevenção da obesidade. O sedentarismo é um ponto crucial para inverter a proliferação da obesidade – não chega mudar a alimentação.

Como incentivar a atividade física na escola?

É fundamental que as crianças se mexam mais. A Academia Americana de Pediatria recomenda a prática de atividade física moderada a vigorosa durante 60 minutos por dia, sendo que apenas 57,5% das crianças e adolescentes entre os 6 e os 14 anos cumprem estas recomendações.
Durante a semana, cerca de 36,5% das crianças e adolescentes vê televisão por períodos de tempo iguais ou superiores a 2 horas. Esta prevalência aumenta significativamente aos fins de semana para 71,3%, segundo o Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física.
Para contrariar estes números, o combate ao sedentarismo tem de ser feito em várias frentes. E, na escola, não pode ser uma responsabilidade exclusiva do professor de Educação Física. Tanto o conselho diretivo como os professores de outras disciplinas podem e devem contribuir para uma vida mais ativa dos alunos. Até porque a prática desportiva favorece a sociabilidade das crianças e dos jovens e, sobretudo no caso dos jogos em equipa, facilita o desenvolvimento das suas competências sociais.

Mais: um aluno com bons hábitos desportivos pode entusiasmar a família e os amigos a terem uma vida mais saudável e a procurarem alternativas aos audiovisuais.
Assim, como é que os professores podem incentivar os alunos a ser mais ativos? Apresentamos-lhe várias estratégias.

Na sala de aula

  • Reduzir pelo menos 5 minutos o tempo que os alunos estão sentados, em cada aula.

O professor pode pedir-lhes que estejam de pé durante a chamada, durante as discussões em grupo e durante a apresentação de trabalhos.

  • Explicar os benefícios de praticar uma atividade física.

Explicar aos alunos que praticar desporto estimula a formação de novos neurónios, melhora a capacidade cognitiva, a memória e a agilidade de raciocínio. Os estudos científicos já demonstraram que nas crianças mais fisicamente ativas se verifica uma maior performance académica.

  • Promover a reflexão sobre a sua própria prática desportiva.

O professor pode promover o debate sobre a prática desportiva e convidá-los a uma reflexão pessoal. Poderá fazê-lo lançando perguntas como: “Se for preciso fazer uma deslocação dentro do vosso quarteirão, preferem pedir boleia ou ir a pé?” ou “Se for preciso subir ao primeiro andar de um prédio com elevador, o que escolhem: as escadas ou o elevador?”.

Atividade física na escola

  • Proporcionar um ambiente rico de materiais que encorajem a atividade física nos intervalos.

Os recreios da escola devem estimular a brincadeira ativa das crianças podendo, para isso, disponibilizar cordas, arcos de hula-hoop ou bolas no espaço escolar.

  • Manter os espaços disponíveis para os alunos fora das horas das aulas.

O horário de acesso aos campos de jogos e ao recreio deve ser alargado a antes e depois das aulas.

Excesso de peso nas crianças: quais hábitos pais e educadores podem alterar? A resposta de Carla Laranjeira, pediatra do Hospital Lusíadas Porto

 

Incentivar os pais

Os professores podem orientar os pais para que estes incentivem os filhos a ser mais ativos. Há várias estratégias que podem ser sugeridas aos encarregados de educação:

Limitar o tempo que os filhos passam em frente a ecrãs a um máximo de duas horas por dia. Os jogos de computador não devem ser proibidos, mas usados com moderação;

A família deverá reduzir o uso do carro no percurso de/para a escola, sempre que possível, privilegiando as caminhadas a pé ou o uso de bicicleta;

As famílias podem usar parte do tempo livre para fazer alguma atividade física em conjunto, no jardim ou mesmo no passeio perto de casa — os pais podem aproveitar para ensinar às crianças jogos que faziam quando eram mais novos e que implicavam uma boa dose de exercício, como o lenço, o mata e tantos outros;

Inscrever as crianças em atividades desportivas fora da escola;

Recompensar as crianças quando estas evitarem comportamentos sedentários.

Fonte:
Adaptado de AMIL Saúde: Obesidade Infantil Não.

Validação Científica:
Carla Laranjeira, pediatra do Hospital Lusíadas Porto

Especialidades em foco neste artigo
Pediatria