O que tenho mesmo de saber se quero engravidar

3 minutos de leitura

É antes de engravidar que se devem esclarecer todas as dúvidas sobre a saúde da futura grávida e sobre os riscos para o bebé que vai nascer.

Se lhe perguntarem quais os planos para um futuro próximo e a resposta for “quero engravidar”, então saiba que o primeiro passo para ter uma gravidez saudável é consultar um médico. Em análise devem estar os hábitos alimentares da mãe e rotinas profissionais que impliquem esforços intensos, entre outros fatores que possam ser considerados relevantes para uma gravidez que se quer sem sobressaltos.

Assim, antes de engravidar é importante que a mulher se submeta a um conjunto de análises e testes de despistagem de doenças como a sífilis, a SIDA, a hepatite B, a rubéola e a toxoplasmose.

“Quero engravidar”: e agora?

O médico deve também ser desde cedo informado da eventual existência na família dos progenitores de casos de síndrome de Down, espinha bífida, atraso mental, malformação do coração, doenças musculares hereditárias ou hemoglobinopatias. Algumas situações genéticas podem ter implicações na gravidez e na saúde dos filhos.

Saiba mais
Os primeiros sintomas de gravidez

 

Fumar, consumir drogas, álcool e até medicamentos sem prescrição médica nunca é seguro durante a gravidez, podendo causar vários problemas ao bebé. Antes de engravidar, é importante que elimine ou, pelo menos, reduza significativamente hábitos pouco saudáveis. O consumo exagerado de café também é desaconselhável.

Ter o peso controlado antes de engravidar é também um passo relevante na procura de uma gestação saudável. Geralmente, as mulheres muito magras ou com excesso de peso podem mesmo ter alguma dificuldade em engravidar.

Todas as mulheres com hipertensão, diabetes, epilepsia, artrite reumatoide e problemas do coração, dos rins e da tiroide, entre outras doenças, devem falar com o seu médico sobre o melhor momento para engravidar. Também as doenças transmitidas sexualmente merecem uma atenção especial e devem estar tratadas antes de a mulher engravidar.

Caso já tenha ultrapassado os 35 anos, a gestação está exposta a um risco acrescido, sobretudo se se tratar de uma primeira gravidez. São, nestes casos, recomendados alguns testes de diagnóstico pré-natal, podendo a gestação decorrer de forma totalmente tranquila.

LER MAIS