Se comermos uma maçã por dia não adoecemos?

Vários estudos científicos mostram que frutos como a maçã poderão ajudar a evitar doenças como o cancro e a diabetes. Mas este deverá ser apenas um entre muitos frutos e vegetais de uma alimentação saudável e variada.

Será que comer uma maçã por dia faz com que não fiquemos doentes?

Há muitos anos que a maçã faz parte da Roda dos Alimentos. Na Roma Antiga já existiam diversas variedades de maçãs a serem consumidas. Hoje, o número de variedades subiu para mais de mil, segundo a enciclopédia Britannica. Apesar da história deste fruto ser antiga, o conhecido ditado inglês que associa o consumo diário de maçãs a uma saúde à prova de bala surgiu apenas no século XIX. Mas será que a maçã é especialmente benéfica para a saúde?

Um ditado em transformação

A maçã é o fruto com mais ditados populares associados. O primeiro ditado teve origem em Gales, na década de 1860 – explica um artigo do jornal norte-americano Washington Post. Na altura, a formulação era: “Eat an apple on going to bed, and you’ll keep the doctor from earning his bread.” Ou seja, “coma uma maçã antes de dormir e vai impedir o médico de ganhar o seu pão”.
Na passagem do século a frase tornou-se mais curta e melodiosa “An apple a day, no doctor to pay”. Traduzindo: “Uma maçã por dia, e não há que pagar ao médico”.
Na década de 1920, já circulava o ditado que hoje se conhece: “An apple a day keeps the doctor away”, diz a expressão em inglês que, traduzida à letra, informa que “Uma maçã por dia mantém o médico à distância”. Em Portugal há até quem diga: “Uma maçã por dia dá uma vida sadia.”

Benefícios das maçãs

As frutas e os vegetais são um dos grupos alimentares mais importantes para uma vida saudável. Contudo, o equilíbrio é uma das regras de ouro da alimentação saudável e por isso, no que toca a frutas, deveremos ingerir 3 a 5 porções de fruta diariamente, quantidade variável nomeadamente consoante o sexo, idade, atividade física e o excesso de peso.

A Roda dos Alimentos sugere que a fruta deva ocupar cerca 20% da alimentação diária. Durante séculos, a maçã foi um fruto importante para os europeus, facilmente cultivável e que durava meses quando era armazenado a baixas temperaturas sem perder as suas propriedades. Esta grande durabilidade do fruto foi também sendo associada a uma grande longevidade dos que o consumiam.

A maçã é agora associada à saúde e sabe-se que a maçã é rica em fibras, tem poucas calorias, pouco sal e muitos nutrientes como vitamina A, tiamina, riboflavina, niacina, vitamina C, cálcio, ferro, potássio, fósforo, sódio, magnésio e enxofre.
A maçã é uma excelente fonte de pectina. A pectina é uma fibra solúvel que ajuda a prevenir doenças cardiovasculares, a reduzir o colesterol e a combater a prisão de ventre. Auxilia ainda na prevenção da doença de Alzheimer, pois a quercetina nas maçãs pode proteger as células cerebrais contra os danos dos radicais livres que podem levar à doença de Alzheimer.

Este fruto parece ser mais eficaz na redução do risco do cancro (pulmão, cólon e fígado) e de diabetes do tipo 2 (que se desenvolve com a idade, associada a maus hábitos alimentares e ao sedentarismo), quando comparado com outros frutos e vegetais.

A pectina das maçãs fornece ácido galacturônico ao corpo o que reduz a necessidade de insulina e pode ajudar no controlo da diabetes. Além disso, o consumo de maçã foi associado com uma melhor função respiratória (prevenção de asma).
Por outro lado, apresenta nutrientes antioxidantes. Os flavonoides são os antioxidantes que se encontram naturalmente nas maçãs em quantidades importantes, e que não se degradam mesmo passados meses depois dos frutos serem colhidos. Estes nutrientes são excelentes protetores do nosso organismo pois protegem-no de doenças oncológicas e do envelhecimento.

No entanto, as maçãs devem ser ingeridas inteiras e não trituradas. Quando as maçãs são usadas para fazer sumo, nutrientes como as fibras da maçã perdem-se porque as fibras não são incluídas no sumo e algumas vitaminas oxidam em contacto com a luz.

Benefícios de outros frutos

Apesar dos benefícios da maçã, os outros frutos também têm nutrientes importantes. As bananas são conhecidas por serem ricas em potássio, um elemento essencial para os músculos. Os frutos vermelhos são especialmente ricos em antioxidantes, nutrientes protetores por exemplo do nosso sistema imunitário. Os frutos citrinos são ricos em vitamina C que facilita a absorção de ferro e por aí fora…
Portanto, é imprescindível variar nos frutos que consumimos para as vitaminas, minerais e tipos de fibra se completarem – variar na cor já é uma ajuda por exemplo.
O consumo moderado de fruta no geral pode mesmo auxiliar na perda de peso.
É certo que a fruta contém açucares, e eles fornecem calorias, mas apesar disso, com as mesmas calorias, comparada com outros alimentos, a fruta:
Produz uma maior sensação de saciedade;
Praticamente não contém gordura;
Exerce um efeito diurético natural;
Devido à sua riqueza em vitaminas do grupo B, os seus açúcares metabolizam-se (queimam-se) facilmente e não se transformam em gordura, como acontece com os produtos de pastelaria refinada;

E não se esqueça: prefira a fruta fresca, da época, de cultivo local e com casca.

É mesmo verdade que uma maçã por dia faz com que não fiquemos doentes?

A ciência parece comprovar os benefícios da maçã. No entanto, não há alimentos milagrosos que evitem totalmente uma ida ao médico quando necessário. Não há dúvida que uma alimentação saudável e um estilo de vida com pouco stresse ajudam a evitar problemas de saúde. Contudo, os maus hábitos alimentares e a falta de exercício físico levam ao desenvolvimento de problemas de saúde que podem culminar em doenças crónicas como a diabetes, a obesidade e a hipertensão arterial. Além disso, a suscetibilidade a doenças crónicas depende também da genética e da idade. Dito isto, a maçã, assim como outras frutas e vegetais, deve fazer parte de uma alimentação saudável e ser integrada num estilo de vida saudável, mas por si só não faz milagres.

Revisão científica:
Alina Fernandes, nutricionista do Hospital Lusíadas Porto

Especialidades em foco neste artigo:
Nutrição Clínica