Quisto no cóccix com cirurgia inovadora

Mais rápida, menos invasiva e menos dolorosa: são as vantagens da cirurgia inovadora usada no tratamento do quisto no cóccix. Realizada no Hospital Lusíadas Porto, este tipo de intervenção irá ajudar num problema que afeta cerca de dez mil adolescentes e jovens adultos em Portugal.

Quisto no cóccix com cirurgia inovadora

Cerca de dez mil portugueses sofrem com quistos sacrococcígeos, uma doença muito prevalente em adolescentes e adultos jovens (sobretudo do sexo masculino). O quisto é causado por uma inflamação crónica que acomete a pele e o tecido subcutâneo, a sua formação parece estar relacionada com a erupção de pelos que encravam sob a pele e que, ao infetar, forma abcessos que se tornam muito dolorosos para o paciente.

O Hospital Lusíadas Porto disponibiliza agora um procedimento minimamente invasivo indicado para os casos em que o quisto no cóccix infeta e cria um abcesso.

Quisto com cirurgia minimamente invasiva

O novo procedimento utiliza uma técnica videoscópica, minimamente invasiva, que permite uma recuperação mais rápida, sem dor e capaz de reduzir os riscos de recidiva. Nesta nova técnica, tudo é feito através de um pequeno orifício (não há a incisão clássica da pele) e algumas horas depois os doentes já estão em casa. Nos dias seguintes podem regressar às aulas ou ao trabalho.

Menos tempo e menos dor

A cirurgia conservadora conta com um tempo de recuperação mais lento, que pode variar entre duas a quatro semanas. “Esta técnica de cirurgia endoscópica permite uma recuperação muito mais rápida, sem necessidade de pensos no pós-operatório e uma redução muito significativa da dor”, esclarece ainda Bessa Monteiro, coordenador da Unidade de Cirurgia Pediátrica do Hospital Lusíadas Porto.

Quisto sacrococcígeo: o que é?

Bolsa de pele situada na região do cóccix – na zona inferior da coluna vertebral – que contém restos celulares, glândulas sudoríparas e sebáceas e pelos. Este tipo de bolsas forma-se durante o desenvolvimento fetal, mas são normalmente eliminadas. Quando permanecem no interior da pele podem inflamar. Outra hipótese é a de se tratar de uma doença adquirida a partir da obstrução dos folículos pilosos da região do cóccix.

Fatores de risco

Calor – estimula a produção de suor que pode acumular-se na bolsa e causar infeção;
Roupas apertadas;
Muito tempo sentado;
Obesidade;
Excesso de pelo corporal ou pelos muito espessos.

Sintomas

Abcesso, acompanhado de dor, vermelhidão da pele, com possibilidade de drenagem de sangue e pus.

Prevenção

Eliminar os fatores de risco:
Perder peso;
Evitar permanecer muito tempo sentado;
Não usar roupas demasiado apertadas;
Remover os pelos da região sacrococcígea regularmente, para evitar novo episódio.

Tratamento

Antibiótico para eliminar a infeção;
Drenagem do quisto em ambulatório;
Cirurgia para remoção do quisto.