Pneumonia: principais sintomas e como tratar

7 minutos de leitura

Todos os anos surgem 150.000 novos casos de pneumonia em Portugal. Eduarda Pestana, pneumologista do Hospital Lusíadas Lisboa e da Clínica Lusíadas Parque das Nações, explica como estar atento à doença que afeta sobretudo idosos e portadores de doenças crónicas.

Em Portugal, a pneumonia é responsável por 40.000 internamentos todos os anos. Um número que reforça a necessidade de estar atento aos sintomas e ao tratamento adequado. Eduarda Pestana, pneumologista do Hospital Lusíadas Lisboa e da Clínica Lusíadas Parque das Nações, faz o enquadramento da doença e ajuda a reconhecer os sintomas da infeção.

O que é

A pneumonia é uma doença que consiste numa inflamação aguda do tecido pulmonar, caracterizada pela proliferação de microrganismos ao nível alveolar. A doença pode ser contraída no dia-a-dia, mas está, também, associada a ambientes de cuidados de saúde, ocorrendo, por vezes, em hospitais.

Sintomas

Por vezes não surgem logo no início e são comuns a outras doenças do aparelho respiratório. Os sintomas aparecem, geralmente, de forma rápida e podem ou não manifestar-se todos ao mesmo tempo. Nos idosos, a pneumonia apresenta-se, frequentemente, sem sintomas específicos e sem febre. No entanto, o diagnóstico da doença deve ser colocado perante uma história clínica de:

  • Febre, muitas vezes elevada;
  • Calafrios;
  • Tosse com ou sem expetoração;
  • Dor torácica;
  • Dificuldade respiratória.

Podem ainda surgir outros sintomas não respiratórios, como:

  • Dor de cabeça;
  • Náuseas;
  • Vómitos;
  • Dor abdominal;
  • Diarreia;
  • Dores nos músculos e articulações.

Complicações

A ocorrência de complicações, bem como a gravidade da pneumonia, dependem da saúde global do indivíduo, da idade, do tipo e da extensão da pneumonia. As pessoas jovens e saudáveis geralmente são tratadas com sucesso. Já os idosos, fumadores, portadores de doença cardíaca (insuficiência cardíaca) ou pulmonar (DPOC /enfisema) podem ser mais difíceis de tratar.

As principais complicações relacionadas com a pneumonia são:

Bacteriemia

Invasão da corrente sanguínea pelas bactérias causadoras da pneumonia, que podem disseminar-se rapidamente para outros órgãos e causar outras infeções;

Derrame pleural

Traduz-se pela existência de líquido ou mesmo pus (empiema) na cavidade pleural devido a infeção por contiguidade a partir dos pulmões;

Abscesso pulmonar

Por vezes a pneumonia pode abceder, formando uma cavidade dentro do pulmão;

Insuficiência respiratória

Acontece em pneumonias muito extensas com necessidade de ventilação mecânica e cuidados intensivos.

Saiba mais
Mensagem da Presidente do Conselho Médico da Lusíadas Saúde, Eduarda Reis, onde aborda a pandemia de COVID-19, assinala os principais sintomas e as normas orientadoras das autoridades da Saúde em casos suspeitos.

Diagnóstico

A pneumonia é uma doença aguda, que pode ter evolução imprevisível e que requer tratamento imediato. Quando a doença for transmitida fora do hospital, deve dirigir-se ao seu médico de família, médico assistente, ou a um serviço de atendimento urgente. É necessária uma avaliação inicial para determinar a escolha do local de tratamento que, na maioria dos casos (80%) será feito em ambulatório. Se houver problemas subjacentes, doenças crónicas, ou se a evolução da pneumonia não decorrer de modo favorável nas primeiras 48 a 72 horas, pode ser necessário o internamento.

Tratamento da pneumonia

Depende do tipo de microrganismo causador da infeção, da gravidade dos sintomas, da presença de outras doenças associadas, local de contaminação (comunidade ou hospital) e do grau de comprometimento dos pulmões.

As pneumonias mais frequentes são as bacterianas, por isso o seu tratamento tem por base o uso de antibióticos.

Logo que se esclareçam as causas, a terapêutica deve reajustar-se utilizando o antibiótico mais eficaz. Quando o agente causador da infeção não é identificado, o reajuste ou alteração terapêutica faz-se pelo evoluir da situação clínica.

Após o início do tratamento, espera-se uma melhoria dos sintomas no espaço de 48 a 72 horas. Caso essa melhoria não ocorra, ou haja agravamento dos sintomas, o doente deverá ser reavaliado pelo médico.

Quanto mais rápido se iniciar o tratamento, melhores serão os resultados. Além disso, devem seguir-se as orientações médicas e completar o tempo previsto de toma do antibiótico. Desse modo, evita-se uma recidiva da pneumonia ou a resistência aos antibióticos utilizados.

Grupos de risco

  • Pessoas acima dos 65 anos;
  • Crianças muito novas;
  • Portadores de doença crónica como diabetes, neoplasia, doença pulmonar obstrutiva crónica, doença cardiovascular, doença neurológica, insuficiência renal ou hepática;
  • Fumadores e pessoas com dependência de álcool e drogas;
  • Pessoas que residem em lares ou casas de repouso e os doentes com internamento hospitalar prévio.

Prevenção

1. Vacinação

A principal medida preventiva é a vacinação pneumocócica e gripal, dado que uma gripe pode levar ao desenvolvimento de uma pneumonia. A medida deve ser adotada por:

  • Maiores de 65 anos;
  • Pessoas que tenham algum tipo de fator de risco para adquirir pneumonia como:
  • Doença crónica;
  • VIH (Sida);
  • Doença que afete o sistema imunitário.

2. Hábitos de vida saudáveis

Ajudam a aumentar as defesas do organismo, fortalecendo o sistema imunitário e prevenindo as infeções.

LER MAIS