O que é a sinusite e como se trata?

Ter dificuldade em respirar, sentir dor facial que costuma aumentar com o esforço e tosse noturna são alguns dos sintomas da sinusite. Saiba mais sobre esta inflamação.

Sinusite: saiba como a tratar

O que é?

A sinusite é a inflamação da mucosa que cobre os seios perinasais (maxilares, etmoidais, esfenoidais e frontais) associada a um processo infeccioso da mucosa do nariz, normalmente causado por vírus ou bactérias.
O fator mais importante para o seu aparecimento é o bloqueio dos condutos de drenagem dos seios perinasais, explica Miguel Castro, otorrinolaringologista no Hospital Lusíadas Albufeira e da Clínica Lusíadas Faro.

A sinusite pode ser:
Aguda – se o tempo de evolução for inferior a 3 semanas;
Subaguda – quando os sintomas persistem entre as 3 semanas e os 3 meses;
Crónica – se os sintomas durarem mais de 3 meses.

Em geral é uma doença benigna, mas podem por vezes aparecer complicações.

Saiba mais
Esteja atento à otite

Sintomas mais frequentes da sinusite aguda

Os sintomas aparecem geralmente após uma constipação que não melhora, e que se agrava após 5 a 7 dias. São eles:

Congestão ou obstrução nasal que impede a normal respiração pelo nariz;
Rinorreia (corrimento nasal) que é espesso e pode vir a ser amarelo ou esverdeado;
Cefaleia e dor facial que costuma aumentar com o esforço ou ao inclinarmo-nos; a dor na face é em redor dos olhos ou ao nível da arcada dentária superior;
Frequentemente poderá aparecer uma diminuição do olfato, tosse (especialmente noturna), mau hálito e até febre.

Tipos 

As formas clínicas dependem também dos seios especialmente afetados. Nesse sentido, podem ser:

  • Sinusite maxilar

A sinusite maxilar caracteriza-se pela dor suborbitária que irradia a maxilar e órbita com dor à pressão do seio maxilar;

  • Sinusite etmoidal

A sinusite etmoidal associa-se normalmente à maxilar e que cursa com dor na raiz nasal e ângulo interno da órbita;

  • Sinusite frontal

Cursa com cefaleia supraorbitária frequentemente pulsátil;

  • Sinusite esfenoidal com cefaleia

Menos típica, às vezes referida na parte posterior da cabeça.

Diagnóstico

O diagnóstico faz-se através da história clínica e pelos sintomas, juntamente com a observação das fossas nasais e faringe. Só se houver dúvidas diagnósticas pode ser necessária a realização de uma radiografia dos seios perinasais ou a realização de uma TAC dos mesmos.

Tratamento

O tratamento da rinossinusite aguda faz-se com antibiótico, ao qual podemos adicionar lavagens nasais, analgésicos, mucolíticos e descongestionantes nasais no intuito de eliminar as secreções e melhorar a drenagem do muco dos seios.

 

Autoria:
Miguel Castro, otorrinolaringologista no Hospital Lusíadas Albufeira e da Clínica Lusíadas Faro

Especialidades em foco neste artigo:
Otorrinolaringologia