Estenose aórtica: o que é e como tratar

Um terço das mortes em Portugal decorre de doenças cardiovasculares. Victor Gil, coordenador da Unidade Cardiovascular do Hospital Lusíadas Lisboa, revela alguns dados sobre a estenose aórtica, uma doença que pode ficar a conhecer melhor na entrevista do cardiologista ao programa “Diga Doutor”.

Estenose aórtica: novos tratamentos

Cerca de um em cada 15 portugueses com mais de 80 anos padece de doença grave da válvula aórtica, uma das doenças cardíacas mais comuns na população portuguesa idosa. Os números globais mostram uma prevalência na ordem dos 5% a nível mundial, principalmente na população masculina. Fique agora a conhecer a estenose aórtica.

O que é a Estenose Aórtica

A estenose valvular aórtica (ou aperto da válvula aórtica) refere-se a uma situação em que a válvula aórtica fica progressivamente mais rígida. Desta forma, a sua abertura plena fica comprometida, criando um obstáculo à saída do sangue do coração para o corpo.

Causas

Quando a estenose aórtica se manifesta antes dos 60 anos, geralmente tem causa congénita ou reumática.

  • Defeitos congénitos da válvula, como a válvula aórtica bicúspide

A válvula não é constituída como normalmente por três cúspides mas apenas por dois, impedindo a normal passagem do sangue;

  • Febre Reumática

O coração é afetado por um processo inflamatório que pode atingir o pericárdio, o músculo cardíaco ou as válvulas cardíacas.

Devido ao aumento da esperança média de vida, atualmente, a forma mais frequente de estenose aórtica é outra, a fibroesclerose, um processo degenerativo que torna a válvula aórtica cada vez mais rígida, podendo mesmo depositar-se cálcio e calcificar a válvula.

Sintomas

Cansaço e/ou falta de ar;
Angina (dores no peito);
Síncope (desmaios).

Qualquer destes sintomas deve ser reconhecido a tempo de se poder evitar um desfecho fatal.

Tratamentos

A cirurgia é o tratamento clássico desta situação e consiste na substituição da válvula doente por uma válvula artificial. Nos últimos anos desenvolveu-se uma técnica que, nesta fase, tem sido aplicada a doentes com estenose aórtica grave recusados para cirurgia convencional. A técnica consiste na implantação de uma válvula artificial em posição aórtica, habitualmente sem necessidade de abrir o peito ou de recorrer a circulação extra-corporal, através de um cateter introduzido por uma artéria na virilha (artéria femural) ou mais raramente por uma punção abaixo da subclávia (artéria subclávia).

Este procedimento, designado por TAVI – “Transcatheter aortic valve implantation” (“Implantação de válvula aórtica trans-cateter”) -, tem sido efetuado com êxito em diversos centros públicos e privados em Portugal.

Na Unidade Cardiovascular do Hospital Lusíadas Lisboa executam-se todas as modalidades de tratamento da Estenose Aórtica, incluindo o moderno tratamento por TAVI.

TAVI 

Implantação de uma válvula artificial em posição aórtica, através de um cateter introduzido por uma artéria na virilha (artéria femural) ou mais raramente por uma punção abaixo da subclávia (artéria subclávia).

“Este procedimento tem sido efetuado com êxito, usando sobretudo os dois modelos de válvulas: as mecânicas e as biológicas”, revela Victor Gil, coordenador da Unidade Cardiovascular do Hospital Lusíadas Lisboa, e um dos responsáveis pela cirurgia cardíaca da estenose aórtica.

Os riscos associados a este procedimento são relativamente baixos, inferiores ao da própria doença abandonada à sua história natural, e tendem a baixar mais, acompanhando a evolução do conhecimento técnico.

A recuperação é habitualmente muito rápida com possibilidade de alta no dia seguinte à intervenção, nos casos não complicados, e menos traumática do que uma cirurgia de peito aberto, além de evitar eventuais complicações do procedimento tradicional numa faixa etária elevada.

Com a implementação desta técnica menos invasiva é possível melhorar a qualidade de vida e conforto da população idosa afetada.

Agora, veja a intervenção de Victor Gil no programa “Diga Doutor” em que explica, com detalhe, o que é a estenose aórtica.

 

Especialidades em foco neste artigo:
Cardiologia