Indústria alimentar contra a obesidade infantil

A indústria alimentar tem criado cada vez mais produtos com pouco ou nenhum açúcar, respondendo às preocupações dos consumidores quanto ao excesso de peso e à obesidade infantil. Do mesmo modo, a legislação e os acordos com as autoridades de saúde têm reforçado a diminuição de açúcar em muitos produtos.

Indústria alimentar: Combater a obesidade infantil passa por reduzir o teor de açúcar nas bebidas

Indústria alimentar: bebidas açucaradas pagam mais impostos

O excesso de peso e a obesidade infantil são uma realidade preocupante no nosso país. Como forma de evitar e reduzir o excesso de peso e a obesidade infantil e nos adultos, em fevereiro de 2017, tanto os refrigerantes como as bebidas açucaradas passaram a estar sujeitas a um novo imposto em Portugal. A carga fiscal é mais pesada para as bebidas que têm mais de 80 gramas por litro e um pouco mais leve para as que ficam abaixo desse valor.

Menos açúcar no café

Os pacotinhos de açúcar usados nos cafés e nos restaurantes estão mais pequenos desde o início de 2017. Grão a grão, já poucos terão memória dos pacotinhos com quase o dobro do tamanho (chegaram a ter 12 gramas). Agora, têm entre 5 e 6 gramas, em vez dos anteriores 6 a 8 gramas. De forma gradual, quase sem dar conta, o consumidor vai diminuindo a quantidade de açúcar utilizada cada vez que adoça um café, de longe a bebida mais consumida em Portugal.

Indústria alimentar diminui açúcar

A Coca-Cola tem reduzido o açúcar de alguns produtos que fabrica, como é o caso da Fanta Laranja, que tem menos 12% de teor de açúcar, e da Fanta Uva, com menos 26%. A própria empresa tem diversas versões da Coca-Cola com edulcorantes em vez de açúcar e lançou recentemente a Coca-Cola com estévia, que tem menos 50% de açúcar do que a versão normal.

Em dezembro de 2016, a Nestlé anunciou ter descoberto uma forma de tirar 40% do açúcar dos seus chocolates, sem que estes perdessem intensidade no seu sabor. A empresa revelou ter descoberto uma nova maneira de estruturar o açúcar, que leva a que se dissolva mais depressa. Assim, os sensores que captam a doçura, especialmente na ponta da língua, sentem como se fosse a quantidade habitual.

Fonte:
Adaptado de AMIL Saúde: Obesidade Infantil Não