Como motivar para o estudo

Todos queremos ser bem sucedidos e valorizados. Os estudantes adolescentes não são exceção. No entanto, nem sempre é fácil aos pais acompanharem os seus filhos no estudo. Júlia Machado, psicóloga no Hospital Lusíadas Porto, fornece algumas dicas para que haja paz e sossego entre todos na hora de estudar.

A psicóloga Júlia Machado dá indicações de como motivar o seu filho para o estudo

Lidar com as expectativas

A adolescência significa uma mudança de expectativas. Passa-se do “por quê” das coisas a “porque me acontecem ou não me acontecem a mim”. Nesse sentido, o estudo perde o interesse, que costuma ser normal numa criança ainda no ensino primário. No adolescente, a sua vida vai para um lado e o estudo para o outro. Pode dizer-se que a inteligência do adolescente é muito sentimental e ou emocional, porque as coisas não têm um “porquê”, mas um “porquê para mim“. Não se assuste se ele pensa mais com o coração do que com a cabeça, pois – se for na etapa de desenvolvimento adequada – é bom que isso aconteça. Conheça os conselhos de Júlia Machado, psicóloga no Hospital Lusíadas Porto.

O papel dos pais

Os pais têm que utilizar esta situação concreta para ajudar a educar e centrar, ou seja, um adolescente tem mais motivação para estudar se isso o compensar emocionalmente. Quando nos sentimos valorizados, trabalhamos melhor e mais motivados.

Reconhecer os verdadeiros sentimentos do seu filho, é um passo para uma mudança de atitude, pois se souber que os pais estão preocupados com a sua indolência estudará com mais intensidade e motivação. Não castigue, não pregue “sermões”, nem premeie ou grite. Motive-o pelo coração e verá os resultados.

Tenha atenção à falta de autoestima e comparações com um irmão mais estudioso ou um colega bem sucedido.

Dicas para os pais tornarem o estudo mais apelativo:

1 – Utilize elogios sinceros e imediatos, relacionados com a atividade realizada ou até mesmo relativamente ao simples facto de se sentar à mesa de estudo. Todos precisam de encorajamento e palavras de apoio face ao esforço empregue nas tarefas escolares.

2 – Arranje um espaço arejado com luminosidade e limpo, sem distrações nem barulho.

3 – Durante o estudo, peça ao seu filho para dizer o que entendeu e tente relacionar experiências do dia a dia, de uma forma divertida e criativa.

4 – Demonstre interesse pelo que aprende na escola, fazendo perguntas sobre como foi o dia, o que aprendeu de novo e do que mais gostou, por exemplo. Desta forma, demonstra o quanto valoriza os seus estudos e se interessa pela sua vida. A sua opinião tem uma importância enorme, portanto, o seu incentivo pode ser um grande motivador.

5 – Crie uma agenda semanal com horário para o estudo, a fim de implementar método. É importante que o seu filho saiba que em dada hora terá que estudar, mas que depois poderá fazer outra atividade.

6 – Ter uma boa noite de sono. Uma noite mal dormida pode resultar em dificuldades de concentração, perda de memória, cansaço e sonolência excessivos, limitando a capacidade de armazenar a infinidade de informações passadas numa sala de aula.

7 – Focar-se apenas na solução do problema e deixar a culpa de lado. Descobrir o que foi feito de errado é muito importante, não para achar um culpado para o problema, mas sim para evitar que volte a ocorrer.

8 – Dê exemplos concretos e explique como se organiza diariamente. Muitas coisas são aprendidas a partir dos modelos e do que observamos. Além disso, o facto de uma mãe gostar de ler, por exemplo, não quer dizer que o seu filho seja necessariamente um grande leitor. É importante perceber quais são os pontos fortes do seu filho e incentivá-los.

9 – Não premeie com presentes, mas com incentivos pelo esforço feito. Faça-o entender que estudar é da sua responsabilidade.

10 – Estimule com palavras positivas: “Eu sei de que és capaz!”, “Faz o teu melhor”, “Os pais gostam muito de ti!”

11 – Mostre disponibilidade para ajudar esclarecendo algumas dúvidas, mas nunca faça as atividades por ele. Perguntar, durante o estudo, se tem alguma dúvida, mostrando -se disponível para ajudar, já é o suficiente.

12 – No dia de um exame é necessário que o ambiente em casa se mantenha tranquilo. Fazer um teste pode trazer bastante ansiedade, portanto, quanto mais relaxado estiver, menores serão as probabilidades de ter as famosas “brancas” na hora da prova.

 Nota final

Todas estas estratégias geram emoções prazerosas, possibilitam a motivação e concentração para o estudo, e fazem crer que estudar é possível e que se pode ser bem sucedido neste papel.

Afinal de contas ser um bom aluno funciona para aumentar a autoestima, auto-confiança e de alguma forma previne comportamentos indesejáveis.

Demonstrar afeto e usar o elogio como um instrumento simples, essencial e barato é a melhor forma de alcançarmos o sucesso, manter o seu filho motivado e, sobretudo, a sentir-se compreendido.