Artrite reumatoide ou artrose?

São ambas doenças reumáticas, provocam dor, afetam a qualidade de vida e podem tornar-se incapacitantes. Afinal o que as distingue?

Artrite ou artrose?

Artrose

O que é?

A artrose ou osteoartrose é uma doença degenerativa que se caracteriza por um desgaste da cartilagem (a superfície que reveste as articulações). Atinge sobretudo os joelhos, mãos, pés e coluna e conduz ao desgaste quer da quantidade, quer da qualidade da cartilagem, limitando os movimentos e provocando uma incapacidade progressiva. Nos casos mais graves, a cartilagem pode mesmo desaparecer e as superfícies ósseas roçam uma na outra, a cada movimento. Ao contrário de muitas doenças reumáticas, a artrose não atinge os órgãos internos e não provoca febre e fadiga.

Sintomas

Dor (as pessoas apresentam mais queixas ao longo do dia, porque a dor está associada ao movimento, ao contrário do que se verifica na artrite reumatoide);
Menor mobilidade da articulação;
Rigidez articular, tipicamente de curta duração (inferior a 30 minutos);
Deformação articular (em casos mais avançados).

Fatores de risco

Idade (as pessoas com mais de 50 anos têm maior probabilidade de sofrer de artrose);
Obesidade (o excesso de peso agrava a pressão exercida sobre as articulações);
Desgaste articular e traumatismos repetidos (na sequência de acidentes ou atividades desportivas intensas);
Genética.

Diagnóstico

Além do exame clínico que visa avaliar a presença de sinais físicos (inchaço, deformação dura das articulações, crepitações ou “ranger” articular, etc.) para diagnosticar a artrose, os especialistas recorrem a exames imagiológicos, classicamente as radiografias, que podem ser complementados por outros métodos de diagnóstico mais modernos.

Tratamento

Os sintomas podem atenuar-se com analgésicos e anti-inflamatórios, mas em casos mais graves pode ser necessário fazer fisioterapia, tratamentos localizados nas articulações, como infiltrações, ou recorrer à cirurgia para colocação de próteses (em situações mais graves em que o tratamento não cirúrgico não surtiu efeito). É aconselhada a prática de exercício físico, a perda de peso e a redução de atividades de esforço. O ideal é a intervenção precoce, de forma a diminuir as lesões nas articulações e, assim, a incapacidade.

Artrite reumatoide

O que é?

A artrite reumatoide é uma doença inflamatória, de causa desconhecida, que atinge as articulações, podendo provocar alterações na cartilagem articular, osso, tendões e ligamentos. Afeta entre 0,8% e 1,5% da população portuguesa e resulta de uma resposta imunitária do corpo, que se ataca a si próprio. Por norma, a artrite reumatoide manifesta-se por dor e inchaço das articulações, com envolvimento articular simétrico, ou seja, afeta ambos os punhos e articulações das ambas as mãos, etc.

Na fase inicial, atinge maioritariamente articulações mais pequenas, como os dedos das mãos e os dedos dos pés. Se não for tratada a tempo, pode causar incapacidade extrema. Ao contrário da artrose, a artrite reumatoide atinge indivíduos mais jovens e associa-se ao aumento da probabilidade de se vir a sofrer de outras doenças, como osteoporose, síndrome de Sjögren (redução da saliva e lágrimas) e doenças cardíacas e pulmonares.

Sintomas

Dor (é mais intensa em repouso, o que faz com que seja pior de manhã e que, em alguns casos, provoque despertares noturnos);
Edema (inchaço) e vermelhidão da articulação;
Rigidez (no início do movimento o indivíduo sente as articulações “presas” e com dificuldade de movimentação que se prolonga por mais de 1 hora);
Diminuição da amplitude do movimento;
Fadiga e perda de peso;
Pode afetar também outras estruturas que não articulações, como o coração, os rins, os pulmões, os olhos, a pele, os vasos sanguíneos, a medula óssea e o tecido nervoso.

Fatores de risco

Sexo (as mulheres têm maior probabilidade de ter artrite reumatoide);
Idade (na maioria dos casos manifesta-se entre os 40 e os 60 anos);
Historial familiar;
Obesidade;
Tabagismo.

Diagnóstico

É efetuado com base na observação do reumatologista, que avalia os sinais da doença (edema, rigidez articular, vermelhidão, etc.), e nos resultados de testes laboratoriais (as análises sanguíneas podem evidenciar processos inflamatórios no organismo). 

Tratamento

Apesar de a artrite reumatoide não ter cura, está disponível uma vasta gama de tratamentos, cada vez mais eficazes. O início precoce de tratamento é o fator com maior impacto na redução dos efeitos negativos da doença. A artrite reumatoide trata-se com a utilização de anti-inflamatórios, corticoides e imunossupressores. Os especialistas recomendam ainda uma dieta saudável, e a prática regular de exercício físico. Algumas pessoas associam fisioterapia ao tratamento de fundo e outras são submetidas a intervenções cirúrgicas, dependendo da avaliação de cada caso.

 

Colaboração:
Sandra Falcão, reumatologista da Clínica de Stº António e da Clínica Lusíadas Sacavém

Especialidade em foco neste artigo:
Reumatologia