Alimentação saudável para toda a família

A alimentação é um ato de sobrevivência, mas serve inúmeros propósitos. Além de ser indispensável à vida é um dos principais atos sociais e humanos. Como nem sempre fazemos as melhores escolhas, Diana e Silva, coordenadora da Unidade de Nutrição Clínica do Hospital Lusíadas Porto, propõe algumas regras básicas para a promoção de uma alimentação saudável.

A alimentação saudável deve ser uma prioridade na nossa vida.

A implementação de uma alimentação saudável para toda a família necessita de recorrer a diferentes métodos de atuação permitindo o acesso a uma informação e formação corretas. Assim sendo, dir-se-ia que a forma como se comunica e se promovem conceitos básicos sobre alimentação saudável permitirá uma maior perceção da sua importância para a saúde de todos.

11 regras básicas da alimentação saudável para toda a família

  • Não saia de casa sem tomar pequeno-almoço

Não sair de casa sem tomar o pequeno-almoço (leite simples ou iogurte de aromas, pão com queijo ou compota e uma peça de fruta);

  • Faça lanches

Não esquecer as merendas do meio da manhã ou da tarde, são fundamentais para controlar a fome voraz das refeições principais;

  • Não fique muito tempo sem comer

Evitar jejuns prolongados: podem comprometer a atividade cerebral aumentando a fadiga e comprometendo o raciocínio;

  • Não se esqueça da sopa e da salada

Iniciar o almoço e o jantar com um prato de sopa de hortícolas (incluindo leguminosas 2 a 3 vezes por semana), seguido de arroz ou massa ou batata, quantidades moderadas de carne, peixe (porção do tamanho da palma da mão) ou ovo (1 ou 2 vezes por semana), sempre acompanhados de salada ou hortícolas cozidos (meio prato);

  • Prefira a fruta à sobremesa

A sobremesa deve ser sempre uma peça de fruta sendo que o doce apenas serve para as ocasiões festivas;

  • Beba muita água

A água é a única bebida que deve ser ingerida em abundância regularmente.

  • Refrigerantes só em situações especiais

O consumo de bebidas açucaradas ou com gás apenas em situações de exceção (ex: festas), bem como os produtos de pastelaria (bolos, biscoitos, bolachas …) ricos em açúcar simples e gordura.

  • Use azeite para temperar

Temperar sempre com azeite, uma gordura rica em ácidos gordos mono insaturados e vitaminas lipossolúveis.

  • Corte no sal

Diminuir a adição de sal quer nos alimentos confecionados, quer no consumo de alimentos comercializados (batatas fritas, aperitivos…).

  • Reduza ao mínimo as refeições pré cozinhadas ou “fast food”

As refeições rápidas (“fast food” ou refeições pré cozinhadas congeladas) podem ser consumidas, mas muito esporadicamente.

  • Prepare as refeições com antecedência

Em situações de falta de tempo aconselha-se o planeamento e confeção das refeições em casa, que podem ser congeladas e posteriormente descongeladas no frigorífico. Este processamento é seguro sem que haja a perda de macro ou micronutrientes, mantendo a qualidade nutricional dos alimentos.

À mesa

A idade escolar é a fase crucial para a estruturação e consolidação de estilos de vida saudáveis (alimentação e exercício físico), persistindo durante a vida adulta. Que a alimentação saudável seja um hábito enraizado desde cedo, é essencial que as refeições sejam um momento em que a família se reúne e converse (sem a televisão ligada) sobre o que aconteceu nesse dia ou outro assunto que surja entretanto.

E, já agora, por que não envolver as crianças na preparação das refeições? Pode ser um momento divertido e é a ocasião ideal para que possam aplicar, na prática, o que aprenderam – ou o que lhes ensinar – sobre a Roda dos Alimentos e o que é uma alimentação saudável.

Especialidades em foco neste artigo:
Nutrição Clínica