7 estratégias para incentivar as crianças a cozinhar

Cozinhar com a ajuda dos seus filhos é importante para os incentivar a experimentar novos sabores e a ganhar hábitos de alimentação saudáveis. Porque o difícil é mesmo começar, leve-os para a cozinha com estas estratégias irresistíveis.

Desafie o seu filho para cozinhar consigo e ficará surpreendido com os resultados

Munidos com aventais e chapéus de chef, torne os seus filhos as estrelas da sua cozinha. Envolver os mais novos na confeção dos alimentos e cozinhar em conjunto é um passo fundamental na relação das crianças com os alimentos, criando os alicerces para uma alimentação saudável. Com o devido cuidado e tarefas graduais, é possível minimizar riscos e sujidades – tornando a preparação das refeições num momento divertido, em família.

Benefícios de incluir as crianças na elaboração das refeições:

Incentivar hábitos de alimentação saudáveis;

Trabalhar uma maior recetividade das crianças a experimentar novos alimentos;

Melhorar o conhecimento sobre a origem e preparação dos alimentos;

Criar hábitos que se podem prolongar para a vida adulta.

Estratégias a seguir

Como começar a envolver os seus filhos na preparação das refeições? Quanto mais cedo melhor, desde que as tarefas sejam adaptadas à idade. Para os incentivar, aproveite estas sete estratégias.

Antes de cozinhar

1. Tire partido da Internet

Graças à Internet e às redes sociais, cozinhar está hoje na moda. Aproveite isso e entusiasme os seus filhos para a confeção de alimentos. Mostre-lhes tutoriais divertidos no YouTube e proponha que usem essas instruções para o próximo jantar da família. Ou siga contas de Instagram dedicadas à alimentação saudável (de preferência validadas por um nutricionista), desafiando os seus filhos a fazer pratos tão bonitos como aqueles que se veem no ecrã do smartphone.

2. Mostre-lhes showcookings… ao vivo ou na televisão

Há algo de fascinante em ver um chef em ação. Da destreza com que manuseiam os vários utensílios ao prato finalizado, ver a preparação das refeições é quase como assistir a um espetáculo. Por isso, nada melhor do que levar os seus filhos a showcookings e a workshops de culinária especialmente dedicados a famílias.

Em alternativa, aproveite a televisão. Mostre-lhes programas de culinária e concursos, que são bastante populares hoje em dia. Além de cozinheiros adultos, escolha também programas com crianças a cozinhar. Serão um bom exemplo a seguir.

3. Leve as crianças ao mercado

Para evitar que cozinhar seja apenas mais uma tarefa doméstica, envolva os seus filhos no planeamento das refeições. Vá com eles ao mercado e ao supermercado, oiça a sua opinião e deixe-os fazer escolhas. Desta forma, estarão mais motivados para, quando chegarem a casa, começarem a ajudar a confecionar os alimentos escolhidos.

Na cozinha

4. Prepare um espaço próprio na cozinha

Além de garantir maior segurança para o seu filho – longe de objetos afiados –, preparar-lhe um espaço próprio na cozinha é um incentivo à sua participação. Por um lado, permite-lhe desenvolver responsabilidade e autonomia. Por outro, contribuirá para que se sinta valorizado nestas tarefas, quase como um verdadeiro chef na cozinha da família.

5. Crie um jogo de incentivos

Planeie um sistema de incentivos e níveis a cumprir, como num jogo. Por exemplo, a cada cinco refeições confecionadas, a criança sobe um nível e recebe um crachá para afixar no avental (“mini-ajudante”, “fazer bolos é comigo”, “ás da cozinha”, etc.). Compense cada nova tarefa com um autocolante e faça uma escala de níveis, com prémios a ganhar por cada patamar (um ida ao parque de diversões no nível 5, por exemplo).

6. Escolha receitas divertidas e junte a família

Quando desafiar os seus filhos para a cozinha, pense em receitas que os mantenham envolvidos durante toda a preparação dos alimentos. Opte por receitas divertidas, que exijam muitas tarefas seguidas (cortar, mexer, amassar, etc.). Desta forma, estarão sempre ocupados e vão sentir a satisfação de “dever cumprido”.

Lembre-se também de os entusiasmar para a confeção de refeições especiais. Convide toda a família a ir jantar a sua casa, marque uma celebração especial ou sugira uma refeição temática de outro país (deixe a escolha de qual para os mais pequenos, para que se sintam envolvidos no planeamento).

 7. Adapte as tarefas à idade

2-3 anos: Lavar frutas ou vegetais, deitar alimentos em recipientes, mexer ingredientes.

4-5 anos: Cortar alimentos mais moles com facas de plástico, espremer frutos, partir ovos.

6-8 anos: Tarefas mais complexas e de maior precisão, tais como cortar alimentos mais duros (com facas específicas para crianças e proteção para os dedos).

A partir dos 8 anos: Tarefas ligadas ao forno e ao fogão, com supervisão.

Validação científica:
Cristina Teixeira, nutricionista do Centro Multidisciplinar de Tratamento da Obesidade do Hospital Lusíadas Porto

Especialidades em foco neste artigo:
Nutrição Clínica